quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Monólogo de mim VIII


Sinto falta de ti por mais que não saiba quem és e não te conheça…

Porque é que construí todas estas defesas quase impenetráveis?... porquê este medo irracional de te encontrar... quando esperava ao mesmo tempo que me encontrasses?
Quando te achei… deixe-te fugir. Sim, ainda corri atrás mas não fiz tudo… talvez não resultasse mas teria sido melhor ter a certeza, do que nunca saber… fui… sou cobarde e convenço-me que é melhor assim, por pura preguiça de voltar a tentar achar-te.
A vida não é como os filmes… mas e se pudesse ser?... não devia pensar assim mas, por momentos, cedo à tentação de achar que tu existes e mais ainda, que te mereço! Deixo-me levar em sonhos em que te encontro e não quero acordar… porque… dói demais perceber que não devemos sonhar assim… dói demais apenas imaginar-te e saber que sou demasiado cobarde para te tentar encontrar…
Amanhã é outro dia talvez consiga não pensar em ti… amanhã…


FATifer

Sem comentários:

Publicar um comentário

Este local serve para largar comentários, daqueles, dos inteligentes e com sentido...todos os outros, que consideremos que não cumprem esses critérios, serão eliminados prontamente. Mais...anónimos amigos por favor identifiquem-se, já basta não conhecermos a cara...pelo menos o nome/nick.
Desde já o nosso agradecimento, voltem sempre!

Ah! E a pedido da nossa estimada leitora Van, passamos a avisar que a leitura deste blogue engorda!