sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Enfrentar os nossos “medos”…

Hoje voltei a andar de moto4!

Para quem não saiba a história, pensará “e depois, o que tem isso de especial?” Eu explico…

Aproveito para contar como vim parar a este mundo da blogosfera…

Então foi assim… tal como hoje, integrado num evento da empresa para a qual trabalho, havia um passeio de moto4. Por um conjunto de circunstâncias (há coisas que parecem que estão escritas – voltarei a esta ideia mais à frente) dizem (não me lembro) que consegui fazer um mortal com a moto mas a “aterragem” não foi suave… a sorte foi que a moto caiu ao meu lado e não em cima de mim (senão, provavelmente não estava aqui a escrever estas linhas). Conclusão: clavícula e 6 costelas partidas, estadia no hospital inevitável e 3 meses de baixa…
Foi neste período de baixa em que, com um braço ao peito, não tinha muito que pudesse fazer, decidi ver pela primeira vez um bog… como todos devem saber, lê-se um, vê-se outro, começa-se a comentar e tal… depois surgiu o convite da nossa deusa para escrever aqui e pronto, aqui estou…

Bem, introdução feita, penso que agora todos entendem o título deste texto e o que tem de especial ter andando de moto4 hoje. Sou do tipo de pessoa que acredita que quando se cai de um cavalo deve-se voltar a montar e foi o que fiz. Continuo a não achar grande piada a este veículo, que considero estranho (um guiador e 4 rodas não combinam). Entendo quem gosta e tem prazer com uma moto4 mas eu não estou nesse grupo. No entanto tinha de provar a mim próprio que essa opinião é verdadeira e não condicionada pela má experiência que relatei. Foi o que hoje fiz e sinto-me bem por isso.

Voltando, como prometi, à ideia que há coisas que parecem estar escritas, por vezes pergunto-me se já teria entrado neste mundo da blogosfera não fosse o conjunto de circunstâncias que relatei? Será que já teria visto um blog?
Como já disse, gosto de viver aproveitando tudo o que acho que devo do que a vida me proporciona. Assim terei de dizer que é interessante como de uma experiência, à partida pouco agradável, como é partir 1 clavícula e 6 costelas, se pode retirar algo tão agradável como ter lido tudo o que li em cada um dos espaços (de muitos de vós) que já visitei, de ter deixado a minha opinião e comentário, trocado ideias, e ter tido a honra de ter sido convidado para escrever aqui. Muitos provérbios poderia aqui citar mas não preciso, cada um de vós se lembrará de um…

Hoje voltei a andar de moto4 e sinto-me bem!

Votos de bom fds para todos,
FATifer

15 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. O seu comentário foi guardado.
    O seu comentário pode demorar algum tempo a aparecer no site em a mensagem original.
    Enviar um comentário para: OrGiA De PaLaVrAs"Enfrentar os nossos “medos”…"
    1 Comentário - Mostrar mensagem original


    I.D.Pena disse...
    Sim , já me tinhas contado, não queria contar a história da minha vida aqui, mas também comecei a fazer um blogue quando adoeci, a net usava-a apenas para pesquisar, não sou de hi5, e não sei se é bom ou se é mau, mas o que é certo é que o meu primeiro blog surgiu quando estava em casa doente e sem nada para fazer.
    Não quero dizer : ainda bem que caíste de moto 4 ou ainda bem que estive* doente, mas o que é certo é que às vezes do nada surge algo, algo diferente, e isso é bom, e é como em tudo tem que existir um equilíbrio. Uma virtude. E como em todas as outras coisas da nossa vida temos que estar cientes dos exageros.
    O que é certo é que nós todos como humanos precisamos de nos expressar, precisamos de ser compreendidos, o meio deixa de ser importante, precisamos sim de socializar.
    Somos mensageiros e receptores, e a troca de ideias está na ordem do dia.
    Bom fim de semana para ti também Fatifer :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. I.D.Pena,

    “O que é certo é que nós todos como humanos precisamos de nos expressar, precisamos de ser compreendidos, o meio deixa de ser importante, precisamos sim de socializar.”

    Uns sentem mais do que outros essas necessidades e conseguem satisfazê-las melhor.

    No meu caso, gosto de interagir com todos aqueles que me estimulem a isso. Embora considere que viveria perfeitamente bem se nunca estivesse entrado neste mundo, considero que, como disse, foi muito agradável o que descobri por aqui (e tu estás incluída neste “bolo” por assim dizer) ;)

    Beijinhos,
    FATifer
    PS – desculpa ainda não ter ido ao teu espaço mas só ontem consegui pôr a leitura em dia por aqui… espero este fds conseguir fazer as minhas visitas aos espaços, como o teu, onde me sinto bem ;)

    ResponderEliminar
  4. Ahahaha, detenho o recorde, eu parti 7 costelas de uma vez, pareciam bombinhas chinesas, ra-ta-ta-ta-ta-ta-ta, foi giro pois só fui ao médico no outro dia quando tinha o tronco PRETO!

    Mas lá está quando se cai do cavalo, há que o montar novamente. Tive de voltar 3 meses depois ao mesmo local e fazer tudo novamente.

    Por outro lado, este texto fez-me lembrar como aqui vim parar. Recomendaram-me o blogue O meu Pipi e abri um... MEDO. Ainda hoje tenho medo do que escrevia lá. Ahahahahaah

    ResponderEliminar
  5. Crest©,

    Se quisesse entrar em competição diria: ”ah pois mas eu parti as costelas em 2 sítios (a meio e junto ao externo)!” mas eu deixo-te ter o recorde… eu fui para o hospital pois perdi os sentidos (há um período de tempo que dizem que estive consciente mas não me lembro de nada!)… quem viu o acidente diz que não foi bonito :(

    Sabia que tinhas de ser como eu em termos de postura perante a adversidade – temos sempre que provar a nós próprios que somos capazes!

    Pois ter tido o privilégio de te ler é algo de muito bom que saiu daquele acidente há um ano atrás…
    Como disse na minha apresentação deste espaço, acho que nunca teria um blog só meu mas assim, tão bem acompanhado, acaba por ser outro privilégio que tive e tenho.

    Abraço,
    FATifer

    ResponderEliminar
  6. Pois eu não descobri os blogues por causa de nenhum acidente mas, só o facto de me ter dado a oportunidade de ter conhecido uma pessoa como tu, já o teria feito valer a pena.
    (Costelas partidas não! Livra! Estava mais a pensar numa unha partida ou algo assim ;)

    Quanto aos nossos medos, acho que sim. Fizeste muito bem em o teres tentado de novo. É assim mesmo que os vamos conseguindo ultrapassar.

    Beijos e obrigado por isto também: "acho que nunca teria um blog só meu mas assim, tão bem acompanhado, acaba por ser outro privilégio que tive e tenho.":)

    É um sentimento mútuo :)

    ResponderEliminar
  7. Pax,

    Eu sei que é um sentimento mútuo e não digo que voltaria a partir 6 costelas para te conhecer mas digamos que não me arrendo! ;)

    Obrigado a ti também,
    FATifer

    ResponderEliminar
  8. "não digo que voltaria a partir 6 costelas para te conhecer"

    Hummmm... e 5...? Partias...?

    ;)

    ResponderEliminar
  9. Pax,

    :)

    Brinca, brinca… mas digo-te que a clavícula é que é um belo petisco!

    Beijinhos,
    FATifer

    ResponderEliminar
  10. Yargo,

    :)

    Sim fui ao teu espaço deixar umas opiniões… ;)

    Beijinhos,
    FATifer

    ResponderEliminar
  11. Porque não, enfrentarmos os nossos medos provando que temos uma grande força interior!

    Bom fim de semana...

    ResponderEliminar
  12. Casal Tuga,

    É isso mesmo, a questão do voltar ao cavalo é um provar a nós próprios!

    Bom resto de fds para vós,
    FATifer

    ResponderEliminar
  13. Vou ser sincera! Em cima de uma mota (2 ou 4 rodas, tanto faz) ainda vá que não vá! Conduzida, está claro, que não sei conduzir motas...

    Agora de metro, em Lisboa, não me apanham! Não é medo, é (claustro)fobia mesmo! Devo enfrentar e tal e coiso? Ná! Mesmo que nunca tenha partido nenhuma costela ao andar lá... ;)

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  14. Teté,

    “Vou ser sincera!”
    Mas tu não és sempre? :P (não resisti) :)

    Prefiro conduzir… motas de 2 rodas ;)

    O que estava aqui em causa não era bem enfrentar um medo mas sim provar a mim próprio que não tinha ficado com medo por um lado e por outro, como referi, comprovar que não gosto de motos4.

    Quanto à tua claustrofobia, não vou dizer que tens de enfrentar, quem sou eu? Agora não andar de metro não deve dar muito jeito, por vezes… eu sei que ando, quando não vou em nenhuma das minhas lindas.

    Cada um é como é … as costelas partidas foram só mais um episódio da minha vida ;)

    Beijinhos,
    FATifer

    ResponderEliminar

Este local serve para largar comentários, daqueles, dos inteligentes e com sentido...todos os outros, que consideremos que não cumprem esses critérios, serão eliminados prontamente. Mais...anónimos amigos por favor identifiquem-se, já basta não conhecermos a cara...pelo menos o nome/nick.
Desde já o nosso agradecimento, voltem sempre!

Ah! E a pedido da nossa estimada leitora Van, passamos a avisar que a leitura deste blogue engorda!